Brasas

O capitão, o delegado, o soldado e a cagada

23 de outubro de 2019 às 11h59

(BRASÍLIA) – O capitão Bolsonaro deu o grito em nome do filho. O Delegado Waldir estrebuchou e jurou resistência. O soldado Julian Lemos prometeu seguir a dissidência. No final das contas, o Delegado arregou, entregou a liderança do PSL e Eduardo Bolsonaro assumiu o posto. Assim que chegou, como se faz no coronelismo nordestino, Eduardo mandou trocar toda os destacamentos da vice-liderança do PSL. O soldado Lemos, que antes já tinha usado o artifício de “sair para cagar” no meio da crise, entrou na lista: a lista dos destituídos. A operação da turma de Bivar se converteu numa grande ‘cagada’, como diria Julian em linguagem bem paraibana.

Comentários