Crônicas

Eduardo, vida mínima (por Kubitschek Pinheiro)

2 de maio de 2021 às 07h00

Dou comigo a sentir muita coisa, ao mesmo tempo, o nascer do sol e perda de mais um amigo, o jornalista Eduardo Carneiro. Uma descarga de memórias, de muitos momentos diferentes, de quando nos conhecemos no extinto Correio da Paraíba.

O cara era sempre uma meiguice, uma doçura, uma inteligência, responsabilidade e profissionalismo.
Já há muito sabemos das partidas, elas explodem nas redes. Também me mostram, sem clemência, que o tempo está a passar, e a passar com vertigens. Mas a dor não desaparece numa esquina.

50 anos Eduardo tinha, não sei quantos de amor com Everaldo Ricardo. Ambos eram um só, na vida e na profissão, singelos e discretos.

Esse pânico de perder alguém para Covid ou qualquer outra doença é iminente e vai nos marcando para sempre. Nesse sábado, tentei escrever esse texto do que eu tinha aprendido o que é a morte. A morte antiga arrastada do sertão, mas não consegui.

A notícia da morte de Eduardo, chegou junto a um arrepio que atravessa-me o espírito, ao pensar no que teria sido a nossa vida, se não tivéssemos a oportunidade de conhecer novas pessoas, pessoas como Eduardo. Uma lágrima no rosto.

Há tempos não o via. Hoje ele virou um pensamento e logo, o alivio a seguir. Ele está por aí, a velar por nós.
A admiração que sentimos uns pelos outros e ainda que não se apercebam, mas está nos gestos, na forma como nos olhamos. De onde vem essa coisa tão bela?

Que orgulho, tínhamos de você, que emocionante era sua pessoa. Sensibilidade muitas vezes recolhida, igual aos homens de boa vontade, sentido humanista da vida.

Um bom amigo é um homem prologado. Era isso que você era, um homem prologando.

Boleias, pautas, pizzas do Capitão Farinha, o sorriso quase pra dentro de seu amor, Everaldo Ricardo a manter-se vivo com a mão na massa, a nascer de novo, porque a vida nunca se acaba.

Eduardo, vida mínima!

MaisPB

Comentários

error: Conteúdo Protegido !!