Crônicas

O orgasmo do furo (por Magno Martins)

8 de abril de 2021 às 10h30

Não costumo comemorar datas de louvação a qualquer categoria, muito menos a minha, como o Dia do Jornalista, transcorrido no 7 de abril de ontem. Mas aproveito a deixa para uma reflexão sobre as profundas mudanças que a era da internet provocaram no exercício da profissão. Sou da geração do jornalismo impresso.

Comecei escrevendo em máquinas de datilografia, fiz jornal mimeografado, que tinha cheiro de álcool, vibrei com a chegada do telex e depois do fac-símile, instrumentos essenciais para retransmissão das notícias para o jornal, já que passei boa parte da minha carreira como correspondente, do interior de Pernambuco, na largada, ao Planalto Central, Brasília, minha universidade da praticidade.

Com a chegada de novas tecnologias, os meios de comunicação, especialmente o jornal impresso, sofreram redefinições na sua forma de fazer jornalismo. TVs por assinatura com canais de programas exclusivos têm afastado o telespectador da programação em TV aberta. Aplicativos de músicas com a possibilidade de criar uma seleção e jornais online afetaram a lógica produtiva do rádio e do próprio jornal impresso, este com os dias contados.

Os jornais impressos travam uma luta inglória para se reinventar no mercado atual. O papel-jornal utilizado na produção do impresso, mão de obra qualificada e distribuição tem elevado o custo da assinatura diária. Com as facilidades que o mundo da internet apresenta, a busca por informação ficou ainda mais acessível e, assim, os jornais foram induzidos a buscarem soluções para acompanhar as mídias e manter os seus leitores.

Entre as estratégias para aproximar o leitor da redação, os meios de comunicação criaram páginas nas principais redes sociais, como Facebook, Instagram e Twitter, além de aplicativos disponíveis para Android e iOS. Assim, através das mídias online, anunciam a notícia com as principais informações e o link direcionando o leitor para outros detalhes, reservando às páginas impressas a reportagem completa, mais contextualizada.

Do mesmo modo, foram criados sites, onde os leitores encontram notícias nacionais e regionais, além de acompanhar o fato em tempo real por meio de vídeos e imagens. O jornal impresso, nos dias atuais, limita bastante a distribuição de seu conteúdo ao espaço físico e o compartilhamento de informações se dá apenas por meio da comunicação verbal entre os leitores.

Já no meio virtual, não há barreiras para que o seu conteúdo alcance vários usuários, uma vez que o conteúdo está disponível nas páginas da web e também pode ser compartilhado nas redes sociais. Seja qual for o canal do exercício da profissão, o jornalista tem que ter a enorme capacidade de exercer o ofício com a exata noção e consciência de que jornalismo é noticiar aquilo que alguém se sinta contrariado. O resto é publicidade.

Gabriel Garcia Márquez dizia que jornalismo é uma paixão insaciável e fala que todo jornalista tem que sentir o orgasmo do furo, viver a palpitação sobrenatural da notícia. Sou daqueles que enxergam que sem jornalismo não há revolução, ou como disse Cláudio Abramo: a prática diária da inteligência e o exercício cotidiano do caráter estão no bom jornalismo.

Blog do Magno Martins

Comentários

error: Conteúdo Protegido !!