Opinião

A filiação de Veneziano: o que muda para ele e para o MDB

14 de janeiro de 2021 às 14h09
Veneziano Vital saiu num momento de fragilidade e voltou com força no MDB

A troca do então PMDB pelo PSB, outrora, foi um movimento pragmático de sobrevivência política. A relação com um havia esgarçado e a migração para o outro trazia alento e perspectiva.

Foi isso que motivou o à época deputado federal Veneziano Vital. Foi isso o que encorajou o hoje senador a fazer o movimento de volta.

A história se repetiu. Como no PMDB antes, o PSB ficou estreito para Veneziano e o ar irrespirável entre pétalas do Jardim Girassol, depois da saída do governador João Azevedo, com quem Vital ficou no fatídico rompimento.

O cenário conspirou em favor de uma volta para “casa”. Uma casa com poucas mudanças. Mudança mesmo só a supressão do P. Nada substancial.

No MDB, Veneziano não construirá a relação do zero. Restabelecerá conexões com um partido que um dia fora o seu, ontem foi do irmão e ainda é da mãe, Nilda Gondim, recém-empossada no Senado.

Veneziano chega, portanto, com muito a entregar à legenda. De partida, dois votos, no exato instante em que o partido precisa de número para ganhar o comando do Senado.

O que muda? Para Veneziano, a perspectiva de, finalmente, ter um partido com penetração estadual que possa formatar sua base própria, sem limite de ação.

Em nível nacional, a desobstrução na relação com o Planalto, que vive de boas com o partido de Fernando Bezerra Coelho. O senador paraibano pode até não querer, mas se quiser tem caminho aberto, inclusive para espaços federais na Paraíba. O que deve acontecer. Cedo ou tarde.

E para o MDB da Paraíba? A sigla ganha sangue novo, jovialidade, dinamismo e possibilidade de reagrupar forças capazes de devolvê-la o tamanho e influência que já teve.

Resumo: bom para os dois lados. Nem tanto para o maranhismo raiz.

Comentários

error: Conteúdo Protegido !!