Opinião

Os 52,8% de aprovação de Luciano, um patrimônio solto no ar

23 de novembro de 2020 às 20h21
Luciano Cartaxo, prefeito de João Pessoa; em busca de unidade e viabilidade para 2020

Em dezembro de 2019, o prefeito Luciano Cartaxo (PV) vivia momento mágico, no ano que antecedia sua sucessão.

Pesquisa do Instituto Opinião, divulgada pelo Portal MaisPB, apontava 68,9% de aprovação de governo.

Tudo favorecia a eleição de um sucessor do seu grupo político, comprometido em sequenciar suas ações.

Luciano não abriu o leque para aliados, como o PSDB, demorou para escolher e quando escolheu fez a opção que causou divisão no seu grupo. Perdeu para a candidatura de Cícero Lucena três dos quatro que postulavam ao cargo.

O resto da história todos já sabem.

Menos de um ano depois e quando Cartaxo se prepara para a despedida, a avaliação de sua gestão já não ostenta mais os índices do apogeu.

Dados do mesmo Instituto Opinião projetam 52,8% de aprovação e 38% de reprovação à administração que caminha para o final.

Compreensível depois do desgaste da pandemia e da derrota de sua candidata, quinta colocada na disputa.

Mas, de toda sorte, o desempenho não é desprezível e tem seu peso. É superior aos índices do governador João Azevêdo (47,4%) e do presidente Jair Bolsonaro (42,4%).

Curioso que Luciano, em pleno segundo turno e onde poderia tirar proveito e usar essa perfomance como diferencial capaz de desequilibrar a disputa, fez a opção de não usar e nem dispor esse patrimônio político.

A decisão de neutralidade mirou no objetivo de tentar preservá-lo para si mesmo. Com um enorme risco de vê-lo se espalhando no ar como tudo que é sólido.

Comentários

error: Conteúdo Protegido !!