Opinião

Campina: esse jogo não é um a um

23 de julho de 2020 às 17h33 Por Heron Cid

O resultado da pesquisa RedeMais/Opinião em Campina Grande, divulgada ontem, oferece vários ângulos para recorte de análise política.

Fiquemos, de início, com mais um jargão futebolístico, sob a inspiração da terra que também respira rivalidade nos gramados.

Considerando os seis cenários testados pelo Instituto Opinião, que botou todas as possibilidades em campo, Bruno Cunha Lima e Inácio Falcão estão rivalizando.

Ora um lidera, ora outro.

Mas, esse jogo não é um a um, parafraseando Jackson do Pandeiro.

Falta um detalhe importantíssimo: Romero Rodrigues, prefeito com avaliação acima da média, ainda não escalou o nome de quem vai representar seu time na eleição.

Digamos que, hoje, o torcedor romerista ainda está solto na arquibancada, aguardando por essa definição.

Os números, todavia, acendem a luz amarela do grupo governista. Os jogadores adversários (a soma de Inácio, Tatiana Medeiros, Ana Bolinha, e Ana Claudia, que deve crescer mais à frente) fungam no cangote do Palácio do Bispo.

Para a estratégia do senador Veneziano Vital, a candidatura de Inácio não atrapalha. Até ajuda na meta de forçar um segundo turno.

Merece menção o desempenho de Doutora Tatiana Medeiros, performando com dez pontos.

O levantamento também mostra o ascendente desempenho de Bruno e que, para avançar, Tovar Correia Lima precisa das bênçãos de Romero e Cássio Cunha Lima.

A pesquisa também traz à tona um dado empírico: tornou-se mais urgente a necessidade de consenso e escolha do nome de Romero, o maior eleitor individual do processo. Mais do que nunca, agora a bola está no pé do prefeito.

Porque, como sinceramente reconheceu um apoiador governista em mensagem ao Blog: “A oposição está viva”!

Se for subestimada, morde.